ENTRECANÇÕES

29 Março - 21h30
5€ - M6

Entrecanções é um projeto idealizado e desenvolvido pela Associação Zarcos, e tem como principal objetivo apoiar causas que visem a melhoria da qualidade de vida de pessoas com necessidades especiais.
O espetáculo conta com a participação de muitos artistas da nossa praça, revertendo a totalidade da bilheteira para a causa designada. Este ano a instituição a apoiar é o Centro de Paralisia Cerebral de Beja.

Organização Zarcos - Associação de Músicos de Beja/Centro de Paralisia Cerebral de Beja
Apoio Câmara Municipal de Beja

PROGRAMAÇÃO MARÇO 2017

Dia 3
Cinema
21h30
RESIDENT EVIL 6: O CAPÍTULO FINAL – 3D

Dia 4
Música
21h30
ANTÓNIO ZAMBUJO – ATÉ PENSEI QUE FOSSE MINHA
Coprodução CMB/Sons em Trânsito

Dia 5
Cinema Animação
15h00
A CANÇÃO DO MAR (VP)

Dia 7
Cinema
21h30
STEFAN ZWEIG – ADEUS, EUROPA

Dia 8
Multidisciplinar
21h30
IV GLEEKETTCLUB
Organização KETTCLUB
Apoio Câmara Municipal de Beja

Dia 10
Teatro
21h30
A MORDAÇA *
Pelo Culturproject (Portugal)

Dia 11
Teatro
16h00
A FADA ORIANA *
Pelo Varazim Teatro (Portugal)

Dia 14
Cinema
21h30
NERUDA

Dia 15
Teatro
21h30
NOS TEMPOS DE GUNGUNHANA *
Pelo Klemente Tsamba (Moçambique)

Dia 16
Teatro
21h30
LOS CINCO ENTIERROS DE PESSOA *
Pelo Teatro Tierra (Colômbia)

Dia 17
Teatro
21h30
FLORES ÁCIDAS *
Pelo Grupo Las Damas (Argentina)

Dia 18
Teatro
21h30
NÓS MATÁMOS O CÃO TINHOSO *
Pela Companhia João Garcia Miguel (Portugal)

Dia 19
Cinema Animação
15h00
ROCK DOG: UM SONHO ALTAMENTE (VP)

Dia 21
Cinema
21h30
UM INSTANTE DE AMOR

Dia 22
Teatro
21h30
TRÊS IRMÃS *
Pelo UmColetivo (Portugal)

Dia 23
Teatro
21h30
BARRIO CALEIDOSCÓPIO *
Pelo Teatro de la Vuelta (Equador)

Dia 24
Teatro
21h30
LA MIRADA DEL OUTRO *
Pelo Proyecto43-2 (Espanha)

Dia 25
Teatro
21h30
CASA VAGA *
Pelo Teatro Experimental do Porto (Portugal)

Dia 28
Cinema
21h30
T2: TRAINSPOTTING

Dia 29
Música
21h30
ENTRECANÇÕES
Organização Zarcos - Associação de Músicos de Beja/Centro de Paralisia Cerebral de Beja
Apoio Câmara Municipal de Beja

Dia 30
Música
21h30
CONCERTO ‘REFLEXO’ – Fado | Henrique Leitão & Convidados – III Temporada de Concertos do CRBA
Coprodução Câmara Municipal de Beja / Conservatório Regional do Baixo Alentejo

Dia 31
Cinema
21h30
MALAPATA

*Integrado no FITA – Festival Internacional de Teatro do Alentejo

REFLEXO – Fado | Henrique Leitão & Convidados

30 Março - 21h30
3€ - M6

“Reflexo” resulta de um virar de página, uma homenagem a Emídio Leitão, um traço distintivo que partilha com os seus e com outros… é a procura constante de provocar reação à música e às palavras de Henrique Leitão. Um concerto apoiado pela Guitarra Portuguesa, pela Guitarra Clássica de Fado e pelo Contrabaixo. A inclusão do Violino e o Cante Alentejano, condimento e tempero desta composição, numa honesta contribuição para a divulgação do trabalho artístico e pedagógico desenvolvido pelos docentes do CRBA.

Formação
Carlos Leitão guitarra clássica fado
Andreia Fernandes violino
Henrique Leitão guitarra portuguesa
Carlos Menezes contrabaixo
Convidados Rogério Mestre, Jorge Botelho e Gonçalo Narciso

Coprodução Câmara Municipal de Beja / Conservatório Regional do Baixo Alentejo

MALAPATA

31 Março - 21h30
3€ - M12

De Diogo Morgado
Com Rui Unas, Marco Horácio, Manuel Marques, Luciana Abreu, Luís de Matos e Ana Malhoa

Ano 2017
Duração 85 minutos
Género Comédia
Origem Portugal
Estreia em Portugal 2017-03-16

A história de dois indivíduos que, de um dia para o outro, vêem as suas vidas dar a maior das voltas ao ficarem alegadamente milionários, e que, levados pelo entusiasmo, fazem as maiores e mais disparatadas excentricidades.
Sorte… ou falta dela, a verdade é que tudo estará prestes a mudar para estes dois heróis. A partir do momento em que percebem que são vítimas de uma estranha e inexplicável MALAPATA. Os mais bizarros e infortúnios azares quase lhes acaba por custar a vida.
Que MALAPATA é esta? Por que é que isto lhes está a acontecer? Carlos e Artur vão perceber que isso será talvez o início do fim. Pelo caminho percebem também que as melhores coisas da vida não se compram.

T2: TRAINSPOTTING

28 Março - 21h30
3€ - M12

De Danny Boyle
Com Ewan McGregor, Ewen Bremner e Jonny Lee Miller

Ano 2017
Duração 117 minutos
Género Drama
Origem Reino Unido
Estreia em Portugal 23-02-2017

Primeiro houve uma oportunidade... depois uma traição. Passaram 20 anos. Muito mudou, muito ficou na mesma.
Mark Renton regressa ao único lugar ao qual alguma vez chamou a sua casa.
À espera dele estão Spud, Sick Boy e Begbie. Outros velhos amigos também o aguardam: mágoa, perda, alegria, vingança, ódio, amizade, amor, desejo, medo, arrependimento, diamorfina, auto-destruição e perigo de morte – todos alinhados para lhe dar as boas vindas e prontos para entrar na dança.
O argumento, assinado por John Hodge (outro regresso) tem como base a sequela do livro "Trainspotting", escrito por Irvine Welsh, que trata de regressos, vinganças e dos planos de Sick Boy.

CASA VAGA

25 Março - 21h30
3€ - M14

Pelo Teatro Experimental do Porto

Por volta de 1840, três portugueses emigram para o faroeste norte-americano em busca de melhores condições de vida e de trabalho. No Velho Oeste, são cowboys às avessas com o mito da fronteira do sonho americano.
Leitores tão precipitados quanto entusiasmados das primeiras utopias socialistas, entre citações, discussões, baladas, tiroteios, poemas, piadas, cavalgadas pelas primeiras inquietudes do capitalismo, os três cowboys vão ensaiando a criação de um novo mundo onde viver.
Contudo, face ao rude embate das suas utopias e projetos revolucionários com o modelo capitalista, terão que decidir que rumo dar à sua ação e o que fazer quando as suas mãos se sujam de sangue.
“Casa Vaga” é uma coboiada que insiste em alguns interesses e temas presentes nos últimos anos de programação do TEP: na interpelação às reais condições de vida e de trabalho em Portugal, e na inquirição sobre os modos sistémicos de domínio que o modelo capitalista exerce sobre os indivíduos e sobre as suas aspirações de felicidade.
Misturando história e ficção, desejo e utopia, pistolas e livros, neste espetáculo, o mundo, o velho e o novo, é uma casa vaga que vamos ocupar.

Ficha Técnica e Artística 
Conceção e Encenação Gonçalo Amorim, Pedro Gil, Raquel Castro e Rui Pina Coelho
Texto Rui Pina Coelho
Interpretação Gonçalo Amorim, Ana Brandão, Nuno Nunes
Música original ao vivo Pedro João e Ricardo Nogueira
Cenografia e figurinos Catarina Barros
Luz Francisco Tavares Teles
Apoio à sonoplastia Carlos Reis

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

LA MIRADA DEL OTRO

24 Março - 21h30
3€ - M12

Pelo Proyecto43-2

Um quarto na prisão.
Três pessoas: o mediador, a vítima e o agressor.
Os olhos de um.
Os olhos do outro.
Haverá mais a uni-los ou a separa-los?

Um quarto numa prisão, uma carta e um mediador. Assim começa o olhar do outro, com uma carta de arrependimento e perdão escrito por um grupo de dissidentes do ETA que cumprem penas de prisão em Nanclares de la Oca (Alava). Baseada em factos reais ocorridos em 2010, altura em que alguns antigos membros da ETA estiveram frente-a-frente com suas vítimas numa série de reuniões previamente preparadas por mediadores.

Ficha Artística
Atores Estíbaliz Curiel, Pablo Rodríguez y María San Miguel
Texto María San Miguel y Chani Martín

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

BARRIO CALEIDOSCOPIO

23 Março - 21h30
3€ - M12

Pelo Teatro de la Vuelta 

Com um mote próximo do imponderável, o solo do ator, pedagogo, dramaturgo e diretor Carlos Gallegos pretende surpreender o público com as peripécias de Afonsito. O personagem (uma criança, um adolescente, um adulto?) amanhece com vontade de ir comprar pão, talvez dois, dependendo do preço. Mas O seu maior obstáculo será encarar, finalmente, o sentimento que costuma paralisá-lo: o medo.
Ele precisa aparentar ser como os outros, os chamados “normais”. O trajeto implica passar velozmente pela rua e evitar as piadas dos amigos ou a melancolia dos varredores de rua. E, na hora de o vendedor lhe entregar o saco de pão, terá de zelar para não explodir o músculo vermelho dentro do peito.
É a partir de uma cadeira que o ator faz essas andanças imaginárias e colora a sua fala por meio de gestos e expressões faciais. Como no artefacto óptico do título, são múltiplas as simetrias.

Ficha Técnica e Artística
Texto, atuação e direção-geral Carlos Gallegos
Direção de atores Gonzalo Gonzalo
Cenografia e figurinos Virgínia Cordero
Música original Miguel Sevilla

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

TRÊS IRMÃS

22 Março - 21h30
3€ - M12

Pelo UmColetivo

Três Irmãs é um mónologo a três tempos.
Começa in media res, imediatamente a seguir a ter-se perdido o único comboio rumo a Moscovo. Aí, as Três iniciam uma viagem estática, paralela à linha de comboio: uma jornada longa e fria corpo adentro que conduzirá a uma cidade que ninguém sabe qual nem como é. Cada uma delas é estação dessa viagem ao sonho da capital, portanto, cada uma delas, é um ato distinto: Irina – Macha – Olga. Uma Matrioska.
Primeiro, a Irina diz “vamos trabalhar, vamos trabalhar”; depois, a Macha grita “precisamos viver, precisamos viver” e, no fim, Olga: “se nós soubéssemos, se nós soubéssemos…”.

Ficha Técnica e Artística
Produção UMCOLETIVO
Texto Luisa Monteiro, Valério Romão e Rui Pina Coelho
Criação Cátia Terrinca e Francisco Salgado
Interpretação Cátia Terrinca
Desenho de luz João P. Nunes
Desenho de som Alexandre Vaz
Cenografia Suzana Alves da Silva
Apoio Jesus Manuel
Design gráfico João P. Nunes
Fotografias Alípio Padilha, Vitor Paiva, Mário Pires, João P. Nunes e Vitorino Coragem

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

UM INSTANTE DE AMOR

21 Março - 21h30
3€ - M14

De Nicole Garcia
Com Marion Cotillard, Louis Garrel, Alex Brendemühl

Ano 2016
Duração 120 minutos
Género Drama, Romance
Origem França, Bélgica, Canadá
Estreia em Portugal 02-03-2017

Gabrielle foi criada numa pequena aldeia do sul de França, no seio da pequena burguesia agrícola, onde o seu sonho de uma paixão absoluta causa escândalo. uma época em que o casamento é inevitável para qualquer mulher, a sua resiliência é considerada loucura.
Os pais decidem casá-la com José, um trabalhador sazonal devoto e adorado, encarregando-o de a tornar uma mulher respeitável. Apesar da devoção de José, Gabrielle insiste que nunca o amará e vive como uma prisioneira confinada aos limites da sociedade do pós-guerra.
Até ao dia em que viaja até aos Alpes para começar um tratamento de pedras nos rins. É lá que conhece André Sauvage, um oficial ferido durante a guerra da Indochina, que lhe desperta a paixão até então recalcada. Ela promete que fugirão juntos e André parece partilhar este desejo.

ROCK DOG: UM SONHO ALTAMENTE (VP)

19 Março - 15h00
2€ - M4

De Ash Brannon
Vozes Portuguesas Rui Unas, Maya Booth, Diogo Dias e Paulo Ribeiro

Ano 2017
Duração 80 minutos
Género Animação
Origem China, EUA
Estreia em Portugal 2017-03-02

Quando um rádio cai do céu, diretamente nas mãos de Mastiff, um tibetano com os olhos arregalados, imediatamente sai de casa, à procura que o seu maior sonho se torne realidade: ser músico.
Sendo assim, Mastiff passará por diversos acontecimentos inesperados.

NÓS MATÁMOS O CÃO TINHOSO

18 Março - 21h30
3€ - M14

Pela Companhia João Garcia Miguel

Nós matámos o Cão Tinhoso (1964) é visto como o projeto literariamente moçambicano, lançado por Luís Bernardo Honwana na década de 60, que faz do universo moçambicano o centro de análise das suas narrativas. (...) A relação dialética colonizado/colonizador é dada, pelas formas mais subtis, através de várias personagens e situações: situação de exploração, de incompreensão, de injustiça, de alienação/desalienação, de sonho e de realidade (...).
Nós matámos o Cão Tinhoso insere o leitor em estruturas sociais violentas através de uma extraordinária capacidade de persuasão que envolve e move o leitor numa superior energia afetiva com o que é narrado (...).

Ficha Técnica e Artística
Textos Originais Nós Matámos o Cão Tinhoso e O Inventário de Imóveis e Jacentes, de Luis Bernardo Honwana
Direção e Encenação João Garcia Miguel
Assistente Encenação Rita Costa
Intérpretes David Pereira Bastos, Sara Ribeiro, Ricardo Martins 
Música Original Co criação Anim'art Centro de Criação Artística, Globo Dikulu, Sara Ribeiro e Frederico Barata
Cenografia Rita Prata e João Garcia Miguel
Direção Técnica e Desenho de Luz Luís Bombico
Direção de Som Manuel Chambel
Produção Executiva Raquel Matos
Assessoras de Imprensa Alcina Monteiro e Joana Rosa
Comunicação Alcina Monteiro e Sara Ribeiro
Fotografia, Vídeo, Design João Catarino

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

FLORES ÁCIDAS

17 Março - 21h30
3€ - M12

Pelo Grupo Las Damas

É um retrato piloto de sobreposição de gerações, utilizando como protagonistas mulheres de classe média, colocadas numa situação extrema em que não há outra opção para além da total sinceridade.
Um retrato agridoce da condição humana, narrado pela voz feminina.

Ficha Técnica e Artística
Produção Las Damas
Dramaturgia e direção Carlos Gil Zamora
Interpretação Amalia Freytes, Fabiana Garcia, Fernanda Alvarez e Patricia Rojo

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

LOS CINCO ENTIERROS DE PESSOA

16 Março - 21h30
3€ - M12

Pelo Teatro Tierra

Poucas vezes acontece
Que ao morrer um poeta
Sejam necessários 5 caixões.
Como poucas vezes acontece
Que um poeta seja morada
Para que vivam nele,
Para que trabalhem a vontade
E durmam quando queiram
Sem pagar aluguel,
Sem ameaças do dono,
Outros 4 poetas.
Juan Manuel Roca

Para o Teatro Tierra a literatura é uma fonte permanente de inspiração. Nesta obra, o grupo tem navegado pela existência fascinante e dramática de Fernando Pessoa, o escritor que conversa com o espírito do tempo como se fosse um contemporâneo dele nas diversas épocas.
O Teatro Tierra mergulhou na obra e na vida do poeta - nas obras e nas vidas dele - visitou Portugal e seguiu seu rastro nos documentos que sobre ele se conservam em Lisboa. Sua vida, sua agonia, seus últimos instantes, o esplendor e a névoa de sua existência encarnados no drama desse Pessoa que era tantas pessoas.
Uma das característica de sua obra é a pluralidade de suas criações, múltiplas personalidades, poetas diferentes, com obras diversas, mundos próprios, biografias particulares e acontecimentos únicos. São já célebres vários heterónimos pela sua relevância literária, Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos, Bernardo Soares, Abílio Quaresma e o Fernando Pessoa mesmo, ele e os outros, cobertos pelo mesmo fato de tons escuros, pelo mesmo chapéu amachucado, num mesmo corpo.

Ficha Técnica e Artística
Produção Teatro Tierra
Prémio Apoio à Escritura Dramatúrgica Iberescena 2015
Direção e dramaturgia Juan Carlos Moyano
Atores Mario Miranda, Joan Jiménez, David Rosero, Clara Inés Ariza, Julia Rosero, Stephany Rugelis e Estefanía Torres
Cenografia Guillermo Forero
Desenho de máscaras e vestuário Carlos Rojas
Música David Díaz
Músicos no palco David Díaz e Jhonatan Martínez
Confecção do vestuário Jaqueline Rojas e Confecciones Romanoff
Luzes Humberto Hernández
Desenho Gráfico Sol Baltazar

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

NOS TEMPOS DE GUNGUNHANA

15 Março - 21h30
3€ - M16

Pelo KLEMENTE TSAMBA

Era uma vez um guerreiro da tribo tsonga chamado Umbangananamani, que fora em tempos casado com uma linda mulher da tribo Macua, chamada Malice. Não tiveram filhos. Mas tentaram muito. Este é o mote que dá início ao karingana ou conto tradicional sobre a vida de um simples guerreiro, mas que muito rapidamente se vai transformar numa sequência de outros pequenos karinganas que relatam aspetos ligados à vida na corte do rei Gungunhana, onde a traição, a crueldade, e as mortes constituem ingredientes principais de cada história contada e embalada por ritmos e canções tradicionais. Mas, que não se distraia o ouvinte menos atento… porque este karingana, não tem nada a ver com Gungunhana!
Vamos então à história: KaringanawaKaringa

Ficha Técnica e Artística
Criação e interpretação Clemente Tsamba
Textos originais UngulaniBaKaKhosa
Assistência técnica Filipa Figueiredo, Paulo Cintrão e Ricardo Karitsis
Edição de vídeo Octávio Remédios e Ricardo Karitsis
Fotografia José Ferrolho
Produção Carla Cardoso

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

NERUDA

14 Março - 21h30
3€ - M12

De Pablo Larraín
Com Luis Gnecco, Gael García Bernal e Mercedes Morán

Ano 2016
Duração 108 minutos
Género Policial
Origem Chile, França
Estreia em Portugal 2017-03-09

1948, a Guerra Fria estendeu-se até ao Chile.
No Congresso, o senador Pablo Neruda critica abertamente o governo. O presidente Videla exige a sua destituição, e confia ao temível inspector Óscar Peluchonneau a responsabilidade de deter o poeta. Neruda e a esposa, a pintora Delia del Carril, não conseguem sair do país e são obrigados a esconder-se. Ele espicaça o inspector, deixando-lhe pistas voluntariamente, de forma a tornar a perseguição ainda mais íntima e perigosa.
Neste jogo do gato e do rato, Neruda aproveita a ocasião para se reinventar e tornar-se um símbolo da liberdade e uma lenda literária.

A FADA ORIANA

11 Março - 16h00
3€ - M4

Pelo Varazim Teatro

Há duas espécies de fadas: as fadas boas e as fadas más. As fadas boas fazem coisas boas e as fadas más fazem coisas más.” Assim começa a obra e do mesmo modo o espetáculo. E com estas palavras faz-se a ponte para nos sentirmos ligados a esta fada tão humanizada.
Nesta história encontramos o dom da proteção sobre os seres mais frágeis que vivem numa floresta, encontramos as tão humanas oscilações entre a solidariedade, o sentido da responsabilidade e o egoísmo e a vaidade. Encontramos, como é próprio de muitos contos tradicionais e para a infância, as peripécias de uma luta entre o bem e o mal. Com música e sonoplastia original, o espetáculo transporta-nos ao mundo encantado das fadas, revelando que até os seres mágicos têm sentimentos humanos.

Ficha Técnica e Artística
a partir de A Fada Oriana de Sophia de Mello Breyner Andresen
Dramaturgia Joana Soares 
Encenação Eduardo Faria
Interpretação Eduardo Faria, Joana Soares e Joana e Sousa
Música original Paulo Lemos

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

A MORDAÇA

10 Março - 21h30
3€ - M14

Pelo Culturproject

A vida bebemo-la todos os dias, esquecemo-nos portanto do seu sabor. "Vivi muito tempo sem me dar conta”, diz o personagem deste monólogo contando a sua história a um interlocutor imaginário. A história de um homem com uma doença incurável, uma doença vergonhosa aos olhos dos outros, como se o amor e as suas consequências - mesmo que trágicas - pudessem ter algo de vergonhoso. É porque se apercebe do seu fim que a vida se torna preciosa, e face à incompreensão dos seus mais próximos, é na floresta que acabará por encontrar abrigo...
Éric-Emmanuel Schmitt

Ficha Técnica e Artística
Produção Culturproject
Encenação João Grosso
Tradução Ana João e Francisco Moniz Pereira
Interpretação Custódia Gallego
Cenografia Rui Alexandre
Figurino José António Tenente
Desenho de Luz José Nuno Lima
Música Baltazar Gallego
Assistência de encenação Vítor Oliveira
Produção executiva Nuno Pratas

Org. Lendias D'Encantar | Apoio Câmara Municipal de Beja

Integrado no

IV GLEEKETTCLUB

8 Março - 21h30
2€ - M3

Noite de música e dança com jovens atletas. Uma festa onde não faltará alegria, fantasia e muita animação.

Organização KETTCLUB
Apoio Câmara Municipal de Beja

STEFAN ZWEIG – ADEUS, EUROPA

7 Março - 21h30
3€ - M12

De Maria Schrader
Com Josef Hader, Barbara Sukowa e Aenne Schwarz

Ano 2016
Duração 126 minutos
Género Drama
Origem Alemanha, França, Áustria
Estreia em Portugal 23-02-2017

Os anos de exílio de Stefan Zweig, um dos escritores alemães mais lidos do Século XX, entre Buenos Aires, Nova Iorque e o Brasil.
Enquanto intelectual judeu, Zweig tenta encontrar a melhor atitude face aos acontecimentos na Alemanha nazi, ao mesmo tempo que vai em busca de um lar no novo mundo.

A CANÇÃO DO MAR (VP)

5 Março - 15h00
2€ - M6

De Tomm Moore
Vozes Portuguesas Rui Mendes, Luisa Cruz, Peter Michael e Custódia Galego

Ano 2014
Duração 93 minutos
Género Animação
Origem Dinamarca, Bélgica, Irlanda, Luxemburgo, França
Estreia em Portugal 19-05-2016

Ben e Saoirse são duas crianças que vivem à beira do mar numa cabana com o seu pai, que permanece perdido no tempo desde a morte da sua mulher, mãe de Ben e Saoirse, uns anos antes. Apesar de Ben estar bem consciente da responsabilidade que implica ser ele o irmão mais velho, continua a sentir-se frustrado perante Saoirse, que com os seus 6 anos, ainda não pronuncia uma única e simples palavra. Um certo dia, a menina descobre uma flauta de concha que pertencia à sua mãe. Rapidamente começa a improvisar música que se transforma não só num meio de comunicação, mas sobretudo na chave que abre um segredo mágico que ficara esquecido no passado remoto da sua mãe.

ANTÓNIO ZAMBUJO – ATÉ PENSEI QUE FOSSE MINHA

4 Março - 21h30
15€ (1ªPlateia) / 12€ (2ªPlateia) / 10€ (Balcão) - M3

António Zambujo é um dos nomes incontornáveis da música portuguesa atual, na medida em que soube construir uma identidade própria que lhe tem valido o reconhecimento tanto do público como da crítica, somando salas esgotadas dentro e fora de Portugal.
"Até Pensei Que Fosse Minha" (Outubro de 2016). Uma homenagem em forma de disco exclusivamente composto por canções de Chico Buarque e gravado no Brasil sob a alçada do próprio mestre da música popular brasileira, que chega a colaborar com António Zambujo num dos temas, “Joana Francesa”.
O álbum é agora apresentado ao vivo em Portugal, e após a estreia deste espetáculo no Brasil, com concertos em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. António Zambujo não será diferente daquilo que sempre é, um cantor e músico de excelência, com uma capacidade única de cativar o público.

Coprodução CMB/Sons em Trânsito

Disponível o Serviço de Kidsitting

RESIDENT EVIL 6: O CAPÍTULO FINAL – 3D

3 Março - 21h30
3€ - M16

De Paul W.S. Anderson
Com Milla Jovovich, Iain Glen e Ali Larter

Ano 2016
Duração 106 minutos
Género Ação/Terror
Origem EUA, Alemanha, Austrália, Canadá, França
Estreia em Portugal 26-01-2017

Alice é a única sobrevivente do que era suposto ser o final da Humanidade perante os mortos-vivos. Agora, ela vai regressar ao local onde começou o pesadelo – A Colmeia, em Raccoon City, onde a Umbrella Corporation está a reunir forças para um ataque final contra os últimos sobreviventes do Apocalipse.

PROGRAMAÇÃO FEVEREIRO 2017

Dia 1
Música
21h30
PEDRO E OS LOBOS

Dia 3
Cinema
21h30
SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA-NOITE

Dia 7
Cinema
21h30
SAINT AMOUR

Dia 8
Música
21h30
TRIO D’ALVA

Dia 10
Cinema 3D
21h30
PASSAGEIROS

Dia 11
Música
22h00
RAQUEL TAVARES – FESTIVAL MONTEPIO ÀS VEZES O AMOR
Coprodução Câmara Municipal de Beja/Diferentes Ritmos Produtores Associados

Dia 12
Cinema Animação 3D
15h00
MORTADELA E SALAMÃO: MISSÃO NÃO POSSÍVEL – VP

Dia 14
Cinema
21h30
POESIA SEM FIM

Dia 16
Musical
10h30/14h30
CINDERELA PELA COMPANHIA RITUAIS DELL ARTE
Sessão para Público em Geral e para Escolas mediante marcação: 284 315 090 ou cultura@cm-beja.pt 
Org. Rituais Dell Arte
Apoio Câmara Municipal de Beja

Dia 17
Cinema
21h30
LA LA LAND – MELODIA DE AMOR

Dia 18
Dança
18h00
PASSOS D’ARTE
Org. Conservatório Regional do Baixo Alentejo
Apoio Câmara Municipal de Beja

Dia 21
Cinema
21h30
TONI ERDMANN

Dia 22
Música
21h30
DUO DE CANTO & GUITARRAIII Temporada de Concertos do CRBA
Coprodução Câmara Municipal de Beja / Conservatório Regional do Baixo Alentejo

Dia 23
Humor
21h30
HERMAN JOSÉ – ONE HER(MAN) SHOW
Org. Associação Culturmais
Apoio Câmara Municipal de Beja

Dia 24
Cinema 3D
21h30
ASSASSIN’S CREED

Dia 25
Música
21h30
APRESENTAÇÃO DO ÁLBUM DE PAULO RIBEIRO ‘O CÉU COMO TECTO E O VENTO COMO LENÇÓIS’

Dia 26
15h00
Cinema Animação
DOFUS – O FILME – VP

Dia 28
Cinema
21h30
CALIFÓRNIA